Memória em apresentação

duodecimado_cover

– … Há uma capacidade definida?

Era Max Cymas, Diretor de Tecnologia da Magximillian a maior empresa de segurança de dados das Américas.

– Praticamente, não ainda. Teoricamente, sim. Na verdade, apenas otimizamos nele recursos de conectividade de memória que todos nós, humanos, temos. Como Jonas é ainda uma criança, atua-lhe proficuamente o que identificamos como Efeito Masamune ou “compulsão esponja”. No entanto, o excesso de catecolaminas nas vias mesocortical e no túbero-infundibular não impediu ou atrapalhou seu desenvolvimento infantil, endócrino ou emotivo-cognitivo. Ao contrário do Projeto Abel, Jonas se mostra uma criança perfeitamente normal e não é sobrecarregado ou “assombrado” pela acumulação de suas memórias. Seu estado consciente é como um terminal para acesso ao seu conteúdo registrado. Ou “cofre”, como preferimos chamar. Quando não acionado para consultas, suas conexões ficam latentes. O biosoftware regula os níveis de acesso por aninhamentos das tarefas de receptação neuronal. Não há envolvimento sentimental dele com as suas memórias. Fizemos isso para evitar os estrangulamentos paralisantes e overload arrays comuns pelo uso em excesso de cloridrato de sertralina e de SSRIs do Projeto Abel.

– Logo, suas memórias “particulares” sofrem intercambiamento para o “cofre” controlado pelo biosoftware? – perguntou Prior.

– Sim. É o único problema que ainda persiste. Jonas é incapaz de guardar o que quer que seja exclusivamente para si. Mesmo seu inconsciente nos é acessível por software. Aliás, as imagens são extraordinárias… A cada nova seção de consulta, ele envolve suas próprias memórias com as dos fatos apreendidos e o biosoftware assume o papel de realizar a manutenção do que é considerado imprescindível, como reconhecimento fisionômico, icônico, sonoro, olfativo e mesmo límbico. Caso contrário, ele não conseguiria articular-se como indivíduo e de nada serviria. Seria só um cérebro lacrado.

Som de uma caneta percorrendo um bloco de papel.

(Trecho de Jonas, Duodecimado, 2016)